Oficina FBA

Estratégias de Prescrição: do individual ao coletivo.


O objetivo é apresentar condutas ligadas ao movimento com foco no Controle Motor e na cognição. Explorando temas como: foco externo de atenção, construção de uma avaliação baseadas em movimentos generalistas e naturais-funcionais, importância do brincar, da cooperação e da solução de problemas, tanto para atendimentos individuais e coletivos.

A Oficina é *exclusiva* para profissionais que concluíram o Curso Movimentação FBA e que buscam:
(1) uma continuidade do curso direcionada especialmente para a prática, com a oportunidade de tirar dúvidas e a aplicação rápida do conteúdo aprendido;
(2) incrementar o seu programa de tratamento/treinamento/aula adquirindo mais opções de exercícios a partir dos movimentos naturais-funcionais e avaliando levando em conta o objetivo e as necessidades do cliente.
Esse encontro visa se aprofundar:
(a) no papel da cognição no movimento;
(b) nas capacidades físicas na movimentação natural-funcional;
(c) em regressões, facilitações e progressões dos movimentos ontogenéticos; e
(d) em estratégias cooperativas e lúdicas a fim de aumentar engajamento dos praticantes.

Leka Zappelini, psicóloga e fisioterapeuta, Edma Alves e Rapha Brandão, profissionais de Educação Física, facilitam a oficina com uma pedagogia ativa, como é tradicional na FBA. Compartilhando a sua experiência com atendimentos individuais, pequenos e grandes grupos, em ambientes fechados e controlados e também ao ar livre, e aguçando a criatividade e a interação dos participantes.

Os inscritos ganham uma aula exclusiva sobre Controle Motor aplicado à avaliação de movimento e à prescrição de exercícios conduzida por Pablo Santurbano.

PRÓXIMAS TURMAS:


Detalhes Pedagógicos

 
1Ementa (missão)
Fornecer aplicabilidade para conceitos já apresentados no curso de movimentação FBA, construindo uma linha de raciocínio para utilização de movimentos naturais funcionais, do individual ao coletivo em qualquer ambiente, aumentando assim as possibilidades de aplicação desses conhecimentos.
2Público Alvo
Exclusivo para profissionais de Educação Física e fisioterapeutas que já concluíram o Curso Movimentação FBA.
3Conteúdo programático
1. Avaliação natural-funcional: necessidade, objetivo e motivação
1.1 Prática baseada em evidência
1.2 Necessidades: como usar a movimentação natural-funcional para avaliar
1.3 Aliando as necessidades com o objetivo do cliente
1.4 Motivação: considerando as preferências do cliente
1.5 Planejamento: como usar os movimentos naturais-funcionais

2. Tarefas: continuum de cognição
2.1 O que é cognição?
2.2 Aspectos Evolutivos da Cognição.
2.3 Quais são as funções cognitivas.
2.4 Atenção x tarefa x foco externo

3. Regressões e progressões para principais tarefas
3.1 As principais capacidades físicas
3.2 Facilitando e progredindo movimentos ontogenéticos
3.3 Mobilidade
3.4 Força
3.5 Resistência
3.6 Amortecimento
3.7 Potência
3.8 Agilidade

4. Soluções para pouco espaço e ludicidade - abordagens do individual ao coletivo
4.1 Evolução e Cooperação
4.2 Importância do lúdico e do brincar
4.3 Importância da coletividade nos seres humanos
4Mini-currículo das Facilitadoras
ALESSANDRA (LEKA) ZAPPELINI
Graduada em Psicologia pela UFSC (2002) e Fisioterapia pela Udesc (2006). Especialista em Gerontologia, com formação no Trabalho com Grupos com Luis Carlos Osório e Intervenção Cognitiva no Envelhecimento na Universidade Compluentese de Madrid. Certificada no Método Ivaldo Bertazzo de Educação do Movimento e Pilates pela PhysicalMind Institute. Com formação livre Corrida Ancestral e Funcionalidade (2016), Biologia Evolutiva e Antropologia (FBA - 2014). Curiosa e entusiasta do movimento, sempre acreditou na movimentação humana como ferramenta e manifesto de saúde, arte, educação. Trabalha como educadora do movimento desde 2003 e desenvolve trabalhos em grupo com foco na estimulação cognitiva e motora. Idealizadora do Projeto Playmobility de movimento por estratégias lúdicas e coletivas.

EDMA ALVES VIEIRA
Profissional de Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Especialista em Fisiologia do Exercício pela UGF. Certificada em Motricidade Voluntária Funcional (MVF-2014) e em Funcionalidade, Biologia e Antropologia (FBA – 2017). Coordenadora de academia por 5 anos formando e treinando equipes. Palestrante pelo Conselho Regional de Educação Física – CREF1. Apaixonada por movimento e pessoas. Sempre em busca de ferramentas para ajudar pessoas a terem uma vida ativa e saudável. Sócia fundadora da Mov. moRE.

RAPHAELA BRANDÃO
Profissional de Educação Física graduada pela Faculdade Gama e Souza (2018) e Técnica em Enfermagem pela Faculdade Bezerra de Araújo (2010). Funcionalidade, Biologia e Antropologia (FBA – 2017). Sócia fundadora da Mov. moRE. Apaixonada pela área da saúde desde sempre e uma leitora voraz.
5Carga horária
15h/ aula.
Sábado das 8h às 18h e domingo das 8h às 13h.
6Referências Bibliográficas
ANDRADE, V. M., SANTOS, F. H.  & BUENO, O. F. A. Neuropsicologia Hoje. 2. ed. – Porto Alegre: Artmed, 2015.

Barros de Oliveira, Vera; Eduardo, Cecília Maria. O lúdico na reabilitação psicomotora de praxias construtivas: um estudo de caso Boletim Academia Paulista de Psicologia, vol. XXVI, núm. 1, janeiro-abril, 2006, pp. 68-82 Academia Paulista de Psicologia São Paulo, Brasil.

Baddeley, Alan. (1992) Working Memory. Science, 255 (5044) 556-559.

Beilock, S. L., Carr, T. H., MacMahon, C., & Starkes, J. L. (2002). When paying attention becomes counterproductive: Impact of divided versus skill-focused attention on novice and experienced performance of sensorimotor skills. Journal of Experimental Psychology: Applied, 8(1), 6–16.

BUSSAB, V. S. R., & RIBEIRO, F. L. “Biologicamente cultural”. In L. Souza, M. F. Quintal Freitas & M. M. P. Rodrigues (Orgs.), Psicologia: reflexões (im)pertinentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp.175-193, 1998.  

Chua LK. et.al. Practice variability promotes an external focus of attention and enhances motor skill learning.Human Movement Science 64 (2019) 307–319.

COSENZA, R. M., FUENTES, D. & MALLOY-DINIZ, L. (2008). A evolução das idéias sobre a relação entre cérebro, comportamento e cognição. Em, D. Fuentes, L. F. Malloy-Diniz, C. H. P. Camargo et. al. Neuropsicologia – Teoria e Prática. São Paulo. Artes Médicas. 

David L. Gallahue, John C. Ozmun, Jackie D. Goodway .Compreendendo o Desenvolvimento Motor - 7ed: Bebês, Crianças, Adolescentes e Adultos. AMGH Editora. 2013.

FATOR, T. (2010). A Teoria psicodramática e o desenvolvimento do papel profissional. São Paulo: Universidade Municipal São Caetano do Sul. Consultado através de http://repositorio.uscs.edu.br/handle/123456789/131, em 20 abril de 2013. 

Godefroy, O. Azouvi, P. Robert, P. Roussel, M. LeGall, D. Meulemans, T. & Groupe de Réfelxion sur L’Evaluation des Fonctions Exécutives Study Group (2010). Dysexecutive Syndrome: doagnostic criteria and validation study. Annals of Neurology, 86(6), 855-864.

Lee-KuenChua et. al. Practice variability promotes an external focus of attention and enhances motor skill learning. Human Movement Science. Volume 64, April 2019, Pages 307-319

LEZAK, Muriel D. Neuropsychological Assessment. 3. ed. New York: Oxford University Press, 1995. 

Lezak, M.D.The problem of assessing executive functions. International Journal of Psychology, 17 (1-4), 281-297.1982.

Malloy-Diniz, L. Fuentes, D. e Cosenza, R.M.. Neuropsicologia do Envelhecimento: uma abordagem multidimensional. Porto Alegre: Artmed, 2013

MARTINS, M.F.; IASI, E.T. (2016) Brincar – como ele desenvolve as competências que preparam para a vida. Em: BAR, M. A. (org). Neurociência e Educação na Primeira Infância: progressos e obstáculos. Brasilia; Senado Federal – Comissão de Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz. 

MORENO, J.L. Psicodrama. Buenos Aires: Paidós, 1974. 

Moriguchi, Y., Hiraki, K. (2013) Prefrontal córtex and executive function in Young children: a review of NIRS studies. Frontiers in Human Neuroscience, 7, 867.

OSORIO, L.C. Grupos: teorias e práticas – acessando a era da grupalidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Santurbano P. Evolução e Movimentação Humana: Introdução ao Raciocínio Evolucionário na Saúde e no Movimento, 2017.

Schmidt,Lee Principles of Motor Learning in Treatment of Motor Speech Disorders. American Journal of Speech-Language Pathology 17(3):277-98 · 2008

Schmidt, R. A., & Lee, T. D. Motor control and learning: A behavioral emphasis. Champaign, IL, US: Human Kinetics. 2005

SOARES, Luciana Loyola Madeira – Amar e brincar – Lembrando os fundamentos da condição humana. Revista IGT na Rede, v. 10, no 18, 2013, p. 223 – 227. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs 

STRAUSS, Esther.; SHERMAN, Elisabeth. M. S.; SPREEN, Otfried. (2006). A compendium of neuropsychological tests: administration, norms, and commentary. 3. ed. New York: Oxford University Press, 2006. 1240p. 

TRIGO, C.F. Instabilidade Poética: síntese provisória de uma prática de movimento. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas. Salvador, 2014.

VYGOTSKY, L. (1987). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 

WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975 Wulf G. ATTENTIONAL FOCUS AND MOTOR LEARNING: A REVIEW OF 10 YEARS OF RESEARCH.

Wulf G. Attentional focus and motor learning: a review of 15 years. International Review of Sport and Exercise Psychology, 2013

Wulf, G., Weigelt, C. (1997). Instructions about Physical Principles in Learning a Complex Motor Skill: To Tell or Not to Tell…. Research Quarterly for Exercise and Sport, 68(4), 362–367.

Wulf G, Lewthwaite R. Optimizing performance through intrinsic motivation and attention for learning: The OPTIMAL theory of motor learning. Psychon Bull Rev. 2016 Oct;23(5):1382-1414.

ZIMERMAN, D. Fundamentos básicos da grupoterapia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.